Guia completo sobre Direito dos Contratos. Confira!

Por sua importância, elaboramos este guia com as principais disposições sobre Direito dos Contratos. Confira!
contratos: imagem de contrato sendo assinado

O Direito Contratual é uma matéria que possui abrangência, recorrência e imprescindibilidade a outras áreas do ramo jurídico. Os contratos são tema recorrente em provas, seja de concursos ou OAB, e são fundamentais para a atuação profissional dos advogados em quase qualquer área.

Por sua importância, elaboramos este guia com as principais disposições sobre Direito dos Contratos. Confira!

O que são contratos?

Contratos, do ponto de vista técnico-jurídico, são acordos de vontades celebrados entre duas ou mais partes, por meio dos quais estabelecem-se direitos e obrigações recíprocas, com o objetivo de regular relações jurídicas patrimoniais ou pessoais

Esses acordos são consubstanciados em manifestações de vontade livre, autônoma e igualitária das partes envolvidas, com o objetivo de criar, modificar ou extinguir direitos e deveres. 

Na definição dos professores Rodolfo Pamplona e Pablo Stolze, “o contrato é um negócio jurídico por meio do qual as partes declarantes, limitadas pelos princí­pios da função social e da boa-fé objetiva, autodisciplinam os efeitos patrimoniais que pretendem atingir, segundo a autonomia das suas próprias vontades.”

Qual a natureza de um contrato?

A natureza jurídica do contrato é de negócio jurídico, requerendo, para sua formação completa, que sejam atendidos os requisitos dos planos de existência, validade e eficácia.

Dentro do Direito Civil, os contratos são disciplinados por normas jurídicas específicas, podendo envolver diversas espécies contratuais, como compra e venda, locação, doação, empréstimo, prestação de serviços, entre outras. Cada tipo de contrato pode ter regras específicas que regulam sua formação, execução, inadimplemento e consequências legais.

Através dos contratos, as partes têm a possibilidade de estabelecer direitos e obrigações de acordo com sua vontade, desde que respeitadas as limitações legais e os princípios que regem os contratos. 

Essa liberdade contratual possibilita a adaptação do direito às necessidades e interesses das partes envolvidas, promovendo a segurança nas relações jurídicas e a estabilidade nas transações comerciais e civis.

Para se aprofundar no tema de contratos, indicamos a obra Direito Civil Brasileiro – Contratos E Atos Unilaterais – Volume 3 – 20ª Edição

No livro, Carlos Roberto Gonçalves oferece uma abordagem completa dos contratos e atos unilaterais do direito civil. O autor apresenta os principais aspectos doutrinários e jurisprudenciais, além de tratar da formação, classificação, vícios, extinção e outras questões relacionadas aos contratos.

Leia também: Confira nossa seleção especial de 18 livros para OAB!

banner e-book Guia de Estudos OAB: clique para baixar!

Quais são os princípios que regem os contratos?

Os contratos são regidos por uma série de princípios que norteiam sua compreensão, validade e aplicação. 

A despeito da variabilidade doutrinária quanto a quais e quantos são estes princípios contratuais, alguns deles são essenciais e consensuais. São eles: 

  1. Autonomia da vontade;
  2. Obrigatoriedade dos contratos;
  3. Boa-fé objetiva;
  4. Equivalência material;
  5. Função social dos contratos; e
  6. Segurança jurídica.

Confira a seguir os principais princípios contratuais:

Autonomia da vontade

O princípio da autonomia da vontade reconhece a liberdade das partes em estabelecerem as condições e os termos do contrato. As partes têm a autonomia de decidir sobre a celebração do contrato, seu conteúdo, forma e demais aspectos, desde que respeitem as limitações legais.

Obrigatoriedade dos contratos

Esse princípio estabelece que os contratos são vinculados e devem ser cumpridos pelas partes envolvidas. Uma vez celebrado um contrato válido, as partes têm a obrigação legal de cumprir as cláusulas e os compromissos acordados.

Boa-fé objetiva

A boa-fé objetiva impõe às partes a obrigação de agir com lealdade, honestidade e transparência durante a negociação, celebração e execução do contrato. Ela exige que as partes ajam de maneira ética, evitando o abuso de direito e respeitando os interesses legítimos da outra parte.

Equivalência material

Esse princípio busca garantir a equidade e a justiça nas relações contratuais. Ele estabelece que os contratos devem buscar um equilíbrio nas prestações das partes, de forma a evitar desvantagens excessivas ou desproporcionais para uma das partes.

Leia também: Especial Dia do Consumidor: 3 livros para estudar Direito consumerista

Função social dos contratos

Esse princípio reconhece que os contratos não são apenas instrumentos de interesse individual, mas também têm uma dimensão social. Os contratos devem contribuir para o bem comum e para o desenvolvimento social, respeitando valores e normas coletivas.

Segurança jurídica

A segurança jurídica tem o objetivo de garantir a estabilidade e a previsibilidade nas relações contratuais. Esse princípio busca assegurar que as partes tenham confiança na validade e na efetividade dos contratos, permitindo que os acordos sejam cumpridos e protegidos pelo ordenamento jurídico.

Para entender sobre Direito Civil e a Teoria Geral dos Contratos, confira o livro Novo Curso de Direito Civil Brasileiro – Volume 4, de Pablo Stolze e Rodolfo Pamplona.

Quais são as normas legais aplicáveis aos contratos?

Os contratos são regidos por um conjunto de normas legais que estabelecem os direitos e deveres das partes envolvidas. No Brasil, as principais fontes normativas aplicáveis aos contratos são o Código Civil, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) e leis específicas relacionadas a diferentes áreas contratuais.

O Código Civil é a base principal para a regulamentação dos contratos. Ele define as regras fundamentais para a formação, validade, interpretação, execução e extinção dos contratos.

Além disso, aborda os diversos tipos contratuais, como compra e venda, locação, empréstimo, prestação de serviços, entre outros. É nessa legislação que estão estabelecidos os princípios gerais que regem os contratos, como a autonomia da vontade, a boa-fé objetiva e a função social dos contratos, já especificados.

No âmbito das relações de consumo, o Código de Defesa do Consumidor desempenha um papel crucial. O direito do consumidor protege os direitos dos usuários em suas transações comerciais. 

O CDC estabelece diretrizes específicas para contratos de consumo, garantindo igualdade de condições, transparência, qualidade dos produtos e serviços, bem como a proteção contra práticas abusivas por parte dos fornecedores. 

Dessa forma, o CDC busca equilibrar a relação entre consumidores e fornecedores, assegurando a segurança e a satisfação dos consumidores.

Além dessas leis fundamentais, existem diversas leis específicas que tratam de contratos em áreas particulares, como o Direito do Trabalho, que abrange os contratos de trabalho regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Essas leis trazem normas detalhadas aplicáveis a determinados tipos de contratos e consideram as particularidades de cada setor.

Ademais, a jurisprudência, ou seja, as decisões judiciais, desempenham um papel importante na interpretação e aplicação das normas legais aos contratos. As decisões dos tribunais estabelecem precedentes que orientam a interpretação das leis e fornecem orientações sobre a aplicação das normas contratuais em casos específicos.

Por fim, importante mencionar que os Princípios Gerais do Direito também têm influência na aplicação das normas contratuais. Princípios como a autonomia da vontade, a boa-fé, a equidade e a segurança jurídica são levados em consideração na interpretação e aplicação das normas legais aos contratos.

E, então, gostou de saber mais sobre Direito dos Contratos? Se você se interessa por aplicações práticas dos contratos, confira nosso artigo O que são contratos empresariais? Conheça 7 livros para se aprofundar no tema!

Você também pode gostar

Artigos em destaque