Descubra como funciona o direito de arrependimento nas relações de consumo!

Saiba tudo sobre o Direito de Arrependimento e como ele pode proteger seus interesses como consumidor. Tenha uma ótima leitura!
Direito de Arrependimento: mãos entregando caixa

Tema polêmico e difundido no direito do consumidor, o Direito de Arrependimento é um tópico tão interessante quanto complexo. 

Pensando nisso, preparamos este artigo com tudo sobre o Direito de Arrependimento e como ele pode proteger seus interesses como consumidor. Tenha uma ótima leitura!

O que é o Direito de Arrependimento?

O Direito de Arrependimento é um importante mecanismo de proteção ao consumidor no ordenamento jurídico brasileiro. Ele garante ao comprador o direito de desistir de uma compra realizada fora do estabelecimento comercial, como compras online, por exemplo. 

Esse direito permite ao consumidor devolver o produto ou cancelar o serviço contratado, sem precisar justificar o motivo, dentro de um prazo determinado por lei. É uma ferramenta fundamental para garantir a segurança e a satisfação dos consumidores, assegurando o equilíbrio nas relações de consumo.

O direito de arrependimento encontra-se previsto no art. 49, do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que estabelece: 

“O consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio.”

Leia também: Especial Dia do Consumidor: 3 livros para estudar Direito consumerista

Como surgiu o Direito de Arrependimento?

O direito de arrependimento surgiu como uma forma de proteger os consumidores e equilibrar as relações de consumo. No Brasil, sua origem está vinculada ao Código de Defesa do Consumidor, instituído em 1990.

O CDC foi uma importante conquista para os consumidores brasileiros, estabelecendo garantias e direitos fundamentais. O direito de arrependimento foi inserido para assegurar que o consumidor pudesse desistir de uma compra realizada fora do estabelecimento comercial, seja por telefone, internet, catálogo, entre outros meios. 

A intenção é proporcionar maior segurança ao consumidor, que muitas vezes não tem a oportunidade de examinar o produto ou avaliar adequadamente o serviço antes da aquisição. Assim, o direito de arrependimento surgiu como uma importante ferramenta para garantir a liberdade de escolha e a proteção dos interesses dos consumidores no Brasil.

Se você se interessa em analisar e estudar a forma como os consumidores se comportam, indicamos o livro Comportamento do Consumidor Brasileiro, de Tânia Maria Vidigal Limeiro

A obra tem o propósito de ajudar a entender como e por que nós, brasileiros, compramos e usamos determinados produtos e marcas, e que significado atribuímos a isso, com uma revisão dos principais conceitos, teorias e metodologias de pesquisa sobre consumo e comportamento do consumidor.

Leia também: Confira nossa seleção especial de 18 livros para OAB!

banner e-book Guia de Estudos OAB: clique para baixar!

Quais são as regras do Direito de Arrependimento?

No Brasil, as regras do Direito de Arrependimento estão estabelecidas no artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor. Confira a seguir algumas das principais regras:

  • Prazo: O consumidor tem o prazo de 7 dias, a contar da data de recebimento do produto ou assinatura do contrato, para exercer o direito de arrependimento.
  • Comunicação: O consumidor deve informar ao fornecedor sua decisão de desistir da compra dentro do prazo estabelecido. Essa comunicação pode ser feita por escrito, preferencialmente por meio de carta registrada ou e-mail.
  • Devolução do produto: Após comunicar sua decisão de arrependimento, o consumidor tem o direito de devolver o produto ao fornecedor. O fornecedor deve reembolsar o valor pago pelo consumidor, incluindo o preço do produto e eventuais despesas com frete.
  • Serviços: No caso de contratação de serviços, o consumidor tem direito ao reembolso dos valores pagos, devidamente atualizados, em até 30 dias após o exercício do direito de arrependimento.

É importante ressaltar que, em casos de compras realizadas em lojas físicas, o direito de arrependimento não se aplica, a menos que o fornecedor estabeleça essa possibilidade por política própria. Portanto, é fundamental ler atentamente as políticas de devolução e troca estabelecidas pelo fornecedor antes de efetuar a compra.

Se você se interessa por Direito do Consumidor, é fundamental conhecer a obra Curso de Direito do Consumidor – 14ª edição, de Rizatto Nunes

O livro engloba todo o conteúdo dos programas da disciplina de Direito do Consumidor, sendo abordados tanto aspectos de cunho material quanto processual. Além disso, a obra reúne a excelência da doutrina, da jurisprudência e ao final de cada capítulo contém questões para fixação do conhecimento.

Quando não se aplica o direito de arrependimento?

Existem algumas situações em que o direito de arrependimento não se aplica. São elas:

  1. Compras realizadas em lojas físicas: O direito de arrependimento não se aplica às compras feitas diretamente em estabelecimentos comerciais físicos, a menos que o fornecedor estabeleça essa possibilidade por política própria. Nesses casos, é importante verificar as políticas de devolução e troca da loja.
  2. Produtos personalizados: O direito de arrependimento não se estende a produtos personalizados, ou seja, aqueles que foram feitos sob medida ou de acordo com as especificações do consumidor. Isso ocorre porque esses produtos têm características únicas que dificultam sua revenda.
  3. Produtos perecíveis ou de consumo imediato: Em geral, o direito de arrependimento não se aplica a produtos perecíveis, como alimentos, ou produtos de consumo imediato, como cosméticos e medicamentos. Isso se deve ao fato de que esses produtos não podem ser devolvidos sem perda de sua qualidade ou integridade.
  4. Serviços já executados: Caso o serviço contratado já tenha sido integralmente executado antes do término do prazo de arrependimento, o direito de desistência pode não ser aplicável. No entanto, se houver alguma parte do serviço que ainda não tenha sido realizada, o consumidor tem direito a reembolso proporcional ao que não foi executado.

É importante sempre verificar as especificidades de cada caso e as políticas estabelecidas pelo fornecedor em relação ao direito de arrependimento, uma vez que algumas empresas podem adotar políticas mais flexíveis e ampliar o direito de desistência para além das situações mencionadas acima.

Para se aprofundar nos temas da judicialização do Direito do Consumidor, indicamos a obra Manual do Consumidor em Juízo, de Rodolfo de Camargo Mancuso

Neste livro, o autor expõe o percurso procedimental pelo qual atravessa o jurisdicionado e revela ao leitor os meandros pelos quais opera o sistema processual de defesa do consumidor e sua tutela coletiva, com foco na seara jurisprudencial e em aspectos pragmáticos.

E, então, gostou de entender como funciona o direito de arrependimento no ordenamento jurídico brasileiro? Agora, aproveite para conferir 5 livros de Direito Constitucional, com dicas para turbinar seus estudos!

Você também pode gostar

Artigos em destaque