Como se tornar o profissional do futuro?

Profissional do Futuro: trabalhadora futurista

As relações de trabalho estão em constante transformação. Como acompanhar essas mudanças e tornar-se um verdadeiro profissional do futuro?

Um exemplo bem atual dessa transformação diz respeito aos modelos de trabalho, profundamente alterados pelo contexto tecnológico e pela pandemia do covid-19. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou recentemente um panorama que indica o potencial de trabalho remoto no Brasil. 

A análise mostra que cerca de 20,4 milhões de pessoas ocupam posições passíveis de serem realizadas de forma remota. O número representa 24,1% do total de pessoas ocupadas no mercado de trabalho brasileiro.

A modalidade de trabalho 100% presencial vem perdendo cada vez mais espaço para o trabalho híbrido e o home office. Portanto, o profissional do futuro deve ter flexibilidade para se adaptar a estes modelos.

Essa flexibilidade é apenas uma das diversas aptidões do profissional do futuro. Vamos apresentar todas as demais neste artigo! Aqui você irá encontrar:

  • Quem é o profissional do futuro;
  • 9 características essenciais deste profissional;
  • 21 profissões do futuro, de acordo com um estudo realizado pelo Center for the Future of Work;
  • Qualidades do profissional tradicional que devem ser mantidas!

Que tal entender mais sobre o assunto e garantir sua sobrevivência neste novo contexto? Continue a leitura!

Quem é o profissional do futuro?

O profissional do futuro é aquele que consegue acompanhar as grandes transformações por que passa o mercado de trabalho, e efetivamente se adaptar a tais mudanças. 

O surgimento constante de novas tecnologias molda as formas de as pessoas consumirem e se relacionarem,  em uma velocidade que pode ser difícil de acompanhar. 

A geração Z — grupo de pessoas que hoje têm entre 13 e 25 anos — já nasceu conectada. As pessoas dessa geração interagem com o mundo a partir de todos os meios tecnológicos que estão a seu dispor.

Isso quer dizer que, se você não faz parte deste grupo que é nativo digital, precisa apertar ainda mais o passo para se manter profissionalmente competitivo em um mercado, ao mesmo tempo, aquecido e seletivo.

Para além disso, as discussões sobre o futuro do trabalho se concentram ainda em mudanças inevitáveis. Como exemplos, podemos citar:

  • O tratamento de dados e controle de informações;
  • O surgimento de novas formas de trabalho;
  • A ampliação do uso da inteligência artificial e a redefinição de funções.

Como é o profissional do futuro?

Existe a expectativa de que, no futuro, os postos de trabalho sejam fundamentalmente movidos por tecnologia, demandando intervenção humana em áreas como resolução de disfunções, escuta, comunicação e interpretação.

Enquanto isso, cada vez mais as máquinas darão conta de tarefas mecânicas. Por isso, o profissional do futuro precisará ser analítico.

Diante disso, o desenvolvimento de habilidades comportamentais, ou soft skills, será chave para este profissional. Ou seja, além do lado analítico, é necessário ser também empático, criativo e equilibrado.

O que são as soft skills?

As soft skills são características ligadas à individualidade do colaborador. Elas têm grande impacto no ambiente corporativo, já que estão relacionadas diretamente à capacidade de interação e construção de relacionamentos no âmbito profissional.

Quais são as 9 principais características do profissional do futuro?

  1. Capacidade de liderança;
  2. Comunicação;
  3. Capacidade de tomar decisões;
  4. Flexibilidade;
  5. Facilidade para lidar com imprevistos;
  6. Inteligência emocional;
  7. Iniciativa;
  8. Foco em resultados;
  9. Adaptação aos novos modelos de trabalho.

1. Capacidade de liderança

Liderar envolve inspirar confiança, influenciar outros e aceitar desafios que impliquem em inovar e buscar resultados melhores. Só assim é possível perseguir uma gestão de alta performance.

A habilidade de liderança é bastante estratégica para o profissional do futuro. Lembrando que não é preciso, necessariamente, que se tenha uma equipe para ser um líder. 

Todos os profissionais podem ser seus próprios líderes, administrando as diferentes esferas de sua vida e buscando aprendizado contínuo. 

2. Comunicação

Uma boa comunicação é uma competência fundamental no ambiente de trabalho, já que:

  • Ajuda na proposição de soluções;
  • Evita a propagação de informações inadequadas;
  • Facilita a exposição de ideias as negociações.

Quanto mais dinâmica for a rotina empresarial, mais eficiente e efetivo deve ser o diálogo entre as áreas.

Portanto, o profissional do futuro (e o do presente também!) precisa saber se comunicar de forma assertiva para progredir na carreira.

Apresentar uma boa capacidade argumentativa ajuda também o profissional a desenvolver coragem para crescer.

3. Profissional do futuro: Capacidade de tomar decisões

Esta habilidade é um traço de liderança que reflete a capacidade de pensar de forma objetiva e lógica, relacionando conceitos e conectando-os aos objetivos que a organização pretende alcançar.

A capacidade de tomar decisões se enquadra no perfil analítico do profissional do futuro. Algumas dicas práticas para desenvolvê-la são:

  • Limitar as suas opções;
  • Escutar outras pessoas;
  • Definir prazos para decidir;
  • Usar o histórico passado como referência.

4. Flexibilidade

Ser um profissional flexível torna um indivíduo mais estável emocionalmente. Isso porque tal pessoa não reage de forma negativa a mudanças na empresa onde atua, em seu escopo e, de modo geral, no próprio mercado de trabalho.

A flexibilidade é a abertura a mudanças e disposição para lidar com diferentes ferramentas, ambientes, ideias, situações e pontos de vista.

Para ser flexível no trabalho, é preciso manter uma atitude positiva, pensar fora da caixa e enfraquecer a resistência a mudanças.

5. Facilidade para lidar com imprevistos

O profissional do futuro deve ter consciência de que imprevistos acontecem o tempo todo. Deve saber, também, que é preciso ter “jogo de cintura” para manter o controle neste tipo de situação.

Aprender a lidar com o inesperado é importante, inclusive, para manejar a carga diária de estresse e ter uma rotina mais leve.

Para administrar imprevistos, é necessário:

  • Ser realista diante do ocorrido;
  • Determinar prioridades;
  • Manter a mente aberta;
  • Pedir a opinião das pessoas mais adequadas para ajudar a driblar cada problema.

6. Inteligência emocional

Ter inteligência emocional no trabalho significa aprender a reconhecer e avaliar os próprios sentimentos, e sentimentos dos outros nas relações profissionais.

O profissional do futuro deve apresentar esta habilidade para ter uma boa performance no trabalho. 

Para tanto, precisa:

  • Aprender a gerenciar emoções negativas;
  • Comunicar-se de forma nítida e persuasiva;
  • Praticar a empatia — ou seja, a capacidade de se colocar no lugar do outro;
  • Exercitar a escuta ativa e receber críticas com humildade. 

Yoga, meditação e terapia são ferramentas que podem ajudar no desenvolvimento da inteligência emocional.

7. Iniciativa

Quem tem iniciativa não espera o outro agir. Pelo contrário, mobiliza os colegas de trabalho e mostra disposição para sempre fazer mais em prol do grupo.

Ter iniciativa implica em tirar da frente as demandas urgentes, planejar bem o dia e se dedicar a tarefas colaborativas.

8. Profissional do futuro: Foco em resultados

Ter foco em resultados significa direcionar o seu empenho para atingir determinados objetivos.

Para tanto, mais uma vez, é preciso saber estabelecer prioridades e definir metas.

9. Adaptação aos novos modelos de trabalho

A adoção de novos modelos de trabalho, em contraponto à modalidade presencial desempenhada estritamente em horário comercial, já é uma realidade.

Como destacamos no início do texto, a modalidade presencial vem perdendo espaço para o trabalho remoto e híbrido.

O home office, amplamente adotado durante a pandemia de Covid-19, tem se apresentado como uma alternativa bastante interessante para empresas que precisam reduzir custos

Também é bem quisto por colaboradores que vinham enfrentando os problemas típicos das grandes cidades, como trânsito, distância, mobilidade, além de gastos com deslocamento e alimentação fora do lar.

A partir do home office, os profissionais descobriram ainda que podem trabalhar de qualquer lugar e, em alguns casos, até mesmo estabelecer os seus próprios horários.

Já o trabalho híbrido permite que o trabalhador cumpra a sua jornada tanto na empresa, presencialmente, quanto a distância, em casa ou em outro local que desejar.

Tal modalidade alterna na semana, ou mesmo no mês, os dias no escritório e os dias de trabalho remoto.

Uma pesquisa realizada pela Robert Half indicou que 48% das empresas adotariam o trabalho híbrido em 2022. O profissional do futuro deve estar preparado para este modelo de trabalho, pois ele vem ganhando cada vez mais força.

Outro estudo, realizado pelo Great Place to Work, apontou que 64,7% dos profissionais preferem o trabalho híbrido. Trata-se de uma forma de ajudar a estabelecer um equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.

Entre os dois mil respondentes do estudo, apenas 16,4%, ficariam mais satisfeitos com o modelo 100% home office. Já a jornada totalmente presencial é a favorita de 11,3% das pessoas que responderam ao levantamento.

E como serão as profissões do futuro?

Como deu para perceber até aqui, o profissional do futuro precisará não só possuir conhecimentos em tecnologia, como também ter habilidades socioemocionais afiadas.

Um relatório do Center for the Future of Work, estabelecido pela Cognizant Technology Solutions, faz apostas em 21 profissões que devem se destacar quando o assunto é o futuro do trabalho. Confira-as a seguir!

Profissional do futuro: Hologramas e computador

21 profissões do futuro

  1. Detetive de dados;
  2. Facilitador de TI;
  3. Mestre de edge computing;
  4. Analista de cybercidade
  5. Oficial de ética de sourcing;
  6. Gestor de desenvolvimento de negócios de inteligência artificial;
  7. Walker/Talker;
  8. Conselheiro de compromisso de saúde;
  9. Técnico de saúde assistida por inteligência artificial;
  10. Diretor de portfólio genômico;
  11. Gerente de equipe humanos-máquinas;
  12. Coach de bem-estar financeiro;
  13. Alfaiate digital;
  14. Chief Trust Officer;
  15. Analista de quantum machine learning;
  16. Guia de loja virtual;
  17. Corretor de dados pessoais;
  18. Curador de memórias pessoais;
  19. Construtor de jornadas de realidade aumentada;
  20. Controlador de estradas;
  21. Oficial de diversidade genética.

Ficção científica ou realidade?

Você deve ter reparado em algumas opções instigantes na lista acima, como analista de cybercidade e gerente de equipe humanos-máquinas. Apesar do caráter de ficção científica suscitado por estes termos, as previsões das profissões do futuro foram feitas considerando que elas já irão “bombar” na próxima década.

Para as previsões, a equipe da Cognizant — uma das maiores empresas de tecnologia da informação do mundo — se baseou em macrotendências atuais em diferentes áreas, a fim de criar as possibilidades apresentadas.

O relatório que resultou deste levantamento apresenta os postos de trabalho do futuro com o escopo que farão parte de cada profissão, assim como as qualificações necessárias.

Vamos destacar, agora, algumas delas!

Detetive de dados

Funções: Este possível profissional do futuro será responsável por investigar os mistérios em torno do big data. 

“O que nossos dados estão nos contando? Que segredos contêm?”, provocam os autores do estudo.

Pré-requisitos: Entender de finanças, matemática e data science. Também é uma vantagem estar por dentro das leis.

Facilitador de TI

Funções: Explorar tendências digitais e criar uma plataforma self-service automatizada, para que os usuários construam os seus próprios ambientes colaborativos (como assistentes virtuais).

Pré-requisitos: Formação em TI, ciências da computação, engenharia, ciências naturais ou administração de empresas. Também é preciso ter habilidades de comunicação e liderança.

Mestre de edge computing

Funções: Criar, manter e proteger o ambiente de edge computing (limite da rede de computação em nuvem, perto da fonte de dados).

Pré-requisitos: Doutorado na área ou em áreas relacionadas, experiência com segurança e protocolo de internet das coisas (IoT). Capacidade de arquitetar e projetar ambientes de computação em nuvem ou edge computing.

Analista de cybercidade

Funções: Garantir a segurança e funcionalidade da cidade ao assegurar o fluxo saudável de dados (ambientais e populacionais, por exemplo) pelo sistema.

Pré-requisitos: Qualificação em engenharia digital, conhecimentos em circuitos eletrônicos e metodologias de startup enxuta. Também é necessário ter experiência com impressão 3D e saber ler e interpretar dados em analytics.

5. Quais as principais características de um bom profissional?

Algumas características mais tradicionais são bastante desejáveis no mercado de trabalho — e continuarão sendo para o profissional do futuro. Como exemplos, podemos citar:

  1. Responsabilidade;
  2. Originalidade;
  3. Foco;
  4. Autoconfiança;
  5. Integridade;
  6. Proatividade;
  7. Relacionamento interpessoal;
  8. Criatividade.

1. Responsabilidade

Um colaborador responsável acompanha de perto o andamento dos processos nos quais está envolvido, e se preocupa em aprimorar continuamente a sua performance. Logo, torna-se também mais proativo.

2. Originalidade

Esta é uma maneira de contornar as dificuldades e procurar por novas formas de fazer. Ou seja, ajudar a levar a inovação para o ambiente de trabalho.

3. Foco

Manter a concentração é essencial para a conclusão de metas em qualquer contexto, inclusive no trabalho. 

É importante não se deixar levar por uma espécie de “piloto automático” durante o desempenho das tarefas, uma vez que elas podem ser realizadas sem a devida atenção, demandando um posterior retrabalho.

4. Autoconfiança

É preciso apostar no próprio potencial para encarar desafios e lidar com adversidades. Neste sentido, a autoconfiança ajuda ainda o profissional a desenvolver a sua inteligência emocional e capacidade de resiliência, assim como a valorizar mais o próprio trabalho.

5. Integridade

Um profissional com integridade não é oportunista e nem se sustenta na base da bajulação. Pelo contrário, preocupa-se em fazer um bom trabalho e respeitar os colegas, inspirando confiança em toda a equipe.

6. Proatividade

As pessoas proativas antecedem necessidades, já que desenvolvem uma visão futura a partir do seu conhecimento da cultura da empresa. Conseguem ainda exercer as suas atividades com autonomia, mostrando que possuem uma excelente capacidade de autogestão.

7. Relacionamento interpessoal

Uma convivência amistosa gera um ambiente de trabalho mais colaborativo e produtivo, o que impacta diretamente o progresso da empresa. Ter um bom relacionamento interpessoal implica ainda em apresentar melhor capacidade de argumentação e negociação.

8. Criatividade

Pessoas criativas desenvolvem bons produtos, produzem conteúdos que engajam, criam ações surpreendentes e encontram soluções improváveis — às vezes até brilhantes — para problemas. Elas têm a ideia certa na hora certa.

Toda empresa busca por profissionais criativos que contribuam para o seu crescimento, e isso não vai mudar no futuro.

E, então, gostou de saber sobre o que é esperado do profissional do futuro? Continue acompanhando o nosso blog para mais conteúdos como este!

Você também pode gostar

Artigos em destaque