8 dicas sobre como aproveitar melhor seu dinheiro, confira!

dinheiro: imagem de moedas sobre mesa

Olá, eu sou Flávio Lemos, autor do livro Dinheiro – Modo de usar e te convido para entender como aproveitar melhor o seu dinheiro no meu livro que está com um super desconto na Black Friday da editora Benvirá. 

Vamos a 8 dicas do livro:  

1. Toda dívida é ruim? 

Uma dívida só é boa se gerar condições de deixá-lo em uma situação melhor no longo prazo e se não tiver um impacto negativo em sua organização financeira geral.  É como no caso de um empréstimo estudantil ou de ferramentas de trabalho que implicam na sua qualificação e bem estar para produzir mais e melhor. 

Podem ser, também, procedimentos médicos ou odontológicos que vão resultar em maior qualidade de vida e mais saúde para você e sua família.  Além disso, essa boa dívida deve ser avaliada e feita da forma mais barata possível, como um parcelamento sem juros, por exemplo, ou em melhores condições. 

lançamento da benvirá: clique aqui e confira!

2. Promessas de Lucros de 10% ao mês são seguras? 

Mesmo que você não conheça nada sobre o mercado, saiba que não existe mágica. Então, ofertas de lucros muito superiores aos dos títulos públicos, que são considerados os ativos mais seguros da economia, devem ser vistas com muita desconfiança. 

Esqueça o dinheiro fácil. Lembre-se de que risco e retorno estão intimamente ligados e de que, sempre que alguém ganha no mercado, outro perde na mesma proporção. Evite que você seja justamente o perdedor. 

Não acredite em tudo – e em todos – só porque aparecem nas redes sociais com muito seguidores. Suspeite da ostentação e verifique se as pessoas e instituições que estão se oferecendo para você são devidamente reguladas no Banco Central e na CVM. 

Leia também: Guia Completo do Empreendedorismo

3. “Investir é só para os ricos” 

Essa frase, incutida na mente de muitas pessoas, certamente fez muitos brasileiros não investirem. E isso acontece até hoje. Mas é fato que investir nunca foi tão democrático como atualmente. Para todas as classes, cores, gêneros e credos. O importante é começar o quanto antes e com segurança

4. Só devo investir quando sobrar dinheiro 

Não caia nessa. Você investirá melhor se o fizer de maneira constante, previsível e com objetivos claros. Por isso, é desejável definir um valor para aportar de maneira regular e incorporá-lo ao seu orçamento mensal. Dessa forma, você se compromete com o planejamento financeiro e cria um hábito saudável na gestão do seu dinheiro.  

5. “A poupança é o investimento mais seguro” 

Errado! A poupança é um investimento simples, seguro e previsível. Apesar disso, não é recomendável concentrar todas as suas reservas por lá, mesmo que você seja um pequeno investidor e não tenha grandes conhecimentos na área financeira. 

A poupança não pode ser considerada o investimento mais seguro por risco de crédito relacionado à capacidade de pagamento do banco no qual a aplicação foi realizada. O total de cada pessoa contra a mesma instituição associada, ou contra todas as instituições associadas do mesmo conglomerado financeiro, será garantido até o valor de R$ 250.000,00

Embora o FGC seja, sim, um bom indício de segurança, esse tipo de garantia não é de exclusividade da poupança. Como alternativa, existem outros produtos financeiros com nível de risco similar e rentabilidade mais atrativa 

Leia também: 16 dicas para alcançar o bem-estar no trabalho

6. O imóvel é sempre uma opção segura” 

O hábito de investir dos brasileiros está muito ligado à aplicação em imóveis. Com isso, colocou-se em pauta que investir em uma casa ou um apartamento para obter uma renda extra é uma opção segura e infalível. Mas como quaisquer outros investimentos, imóveis têm riscos – por sinal muito altos dependendo do imóvel.

O principal risco de investir em imóveis é o da liquidez. Ou seja, não é tão fácil e nem rápido vendê-los, caso você precise do dinheiro. Além disso, há  risco de desvalorização dependendo da região ou das condições do próprio imóvel. 

7. Investir na Bolsa é igual a jogar em um cassino 

No Casino é ele quem cria as regras, ou seja, você joga as regras dele. Já na Bolsa você cria suas regras, suas chances de vencer! 

Na Bolsa, a decisão do que comprar e em que momento fazer isso de modo a minimizarmos nossos riscos e maximizarmos nosso potencial de ganho, requer levantar dados, analisar variáveis, acumular informações e tomar decisões, ou seja, há um trabalho intelectual por trás. 

Algumas ferramentas como a análise técnica e análise fundamentalista te auxiliam nesta etapa. Você pode estudar e aprender! 

Já no Cassino os produtos negociados são os jogos de azar. São apostas, que alguns consideram como lazer. Apostas, tais como roletas, dados e até alguns jogos com cartas, não requerem o levantamento e análise dos dados, há simplesmente uma decisão considerando a probabilidade de determinado evento acontecer.

E mesmo que haja a preocupação em saber quais foram os resultados anteriores, os dados sempre terão a mesma probabilidade de apresentar os resultados esperados. 

Ainda mais, no Cassino, a depender do jogo, sua ação não influencia o resultado. O que sua ação pode provocar é influenciar a partilha dos ganhos ou prejuízos.  

8. Para investir bem, é só consultar a rentabilidade passada de uma ação ou fundo 

É natural que, ao buscar uma boa opção de investimento, as pessoas consultem o histórico de rentabilidade do ativo. A lógica é intuitiva: se ele apresentou bons retornos nos últimos tempos, é porque é um produto vencedor. 

Mas, então todo produto vencedor, vai continuar desempenhando de maneira satisfatória, certo? Infelizmente não é tão simples. Os especialistas sabem que a rentabilidade passada nunca é garantia de rentabilidade futura

Isso acontece porque a performance do ativo pode ser alterada por completo se o cenário mudar – em razão da inversão de uma tendência ou do surgimento de um fato novo, por exemplo. 

Análises mais assertivas podem até consultar a rentabilidade passada, mas levam em conta outros aspectos, como os fatores de risco e o ambiente macroeconômico.  

Se você não tiver conhecimento para tomar a decisão de forma autônoma, pode recorrer às recomendações de um agente autônomo como eu ou algum outro especialista registrado na CVM.   

Esperamos que você tenha gostado desse conteúdo sobre como aproveitar melhor o seu dinheiro. Para continuar aprofundando seus conhecimentos no assunto, adquira o livro Dinheiro – Modo de usar da editora Benvirá. 

Você também pode gostar

Artigos em destaque