Conheça a carreira do analista financeiro!

Analista financeiro: Trabalhadores analisam gráfico

Se você deseja conhecer mais sobre a carreira de analista financeiro, está no lugar certo. Elencamos as principais informações e dúvidas sobre o tema, para orientar leitores que consideram seguir esta profissão.

Trata-se de uma posição importante em todos os tipos de empresas, passando por indústrias, comércio, tecnologia, multinacionais, prestadoras de serviços, empresas públicas, organizações não governamentais, entre outras. Também fazem parte dos empregadores destes profissionais empresas que prestam consultorias e realizam auditorias fiscais. 

Além disso, dentre os analistas financeiros, há os que atuam com a prestação de assessoria a pessoas físicas que precisam de ajuda para ajustar as suas finanças pessoais ou investir o próprio dinheiro.

Segundo o mapa de carreiras do site Vagas, costumam tornar-se analistas financeiros profissionais com ocupações anteriores como assistente financeiro, assistente administrativo e auxiliar administrativo.

Já as próximas cadeiras ocupadas para profissionais que atuam como analista financeiro podem ser analista administrativo financeiro, analista de controladoria e coordenador financeiro.

Quer saber mais sobre esta profissão? Então, confira o guia que preparamos!

Qual é a função de um analista financeiro?

O analista financeiro tem, nas empresas, o papel de planejar, gerir e analisar os recursos financeiros da companhia. Deste modo, ele assegura a rentabilidade nas contas e investimentos da empresa. Indo além, verifica ainda a necessidade de gastos e a disponibilidade de recursos.

Entre as suas responsabilidades, estão a realização de negociações, balanços, cotações, pagamentos de contas e impostos, extratos bancários e demais atividades burocráticas ligadas ao controle financeiro da companhia.

Isso significa que este profissional pode, em seu dia a dia de trabalho, coletar informações, realizar cálculos e planilhas, gerir fluxo de caixa, controlar gastos com folha de pagamento, além de demais saídas de dinheiro.

A partir do acompanhamento de todas essas informações, o analista financeiro deve realizar relatórios e analisar as despesas, de modo a ser propositivo no sentido de indicar possíveis ações capazes de melhorar a rentabilidade do capital investido pelo negócio e cortar gastos.

Onde o analista financeiro atua?

Este profissional costuma atuar em setores administrativos de empresas médias e grandes. Também é possível que esteja inserido na área de projetos e consultoria de investimentos. Neste caso, lida diretamente com a análise da viabilidade econômica e os riscos de um novo empreendimento ou investimento.

Em companhias que oferecem crédito, o analista financeiro é quem irá avaliar a qualificação financeira dos candidatos a empréstimos, de modo a apontar para a empresa se ela deve ou não realizar operações com possíveis clientes. Nesta área, o analista financeiro tem ainda a possibilidade de desenvolver soluções de recuperação financeira.

Qual o salário de um analista financeiro?

De acordo com algumas variáveis, os analistas financeiros podem ter salários mais altos ou mais baixos. São elas:

  • Tempo de serviço;
  • Porte da empresa;
  • Formação do profissional;
  • Desempenho.

Segundo a Catho, a média salarial é de R$ 2.700, Tal valor é oferecido a profissionais com média de 2,5 anos de experiência.

Ao se considerar o porte da empresa e a experiência do profissional, o cenário é o seguinte:

Pequenas empresas

  • Até 4 anos de experiência: R$ 1.900 a R$ 2.400
  • 4 a 8 anos de experiência: R$ 2.900 a R$ 3.700
  • Mais de 8 anos de experiência: a partir de R$ 4.600

Empresas médias

  • Até 4 anos de experiência: R$ 2.500 a R$ 3.000
  • 4 a 8 anos de experiência: R$ 3.800 a R$ 4.800
  • Mais de 8 anos de experiência: a partir de R$ 6.000

Grandes empresas

  • Até 4 anos de experiência: R$ 3.200 a R$ 4.000
  • 4 a 8 anos de experiência: R$ 5.000 a R$ 6.200
  • Mais de 8 anos de experiência: a partir de R$ 7.700

O que é preciso para ser um analista financeiro?

Como grande parte das profissões, a de analista financeiro exige alguns pré-requisitos para os profissionais. Entre eles, estão:

  • Ensino superior em áreas como Administração, Economia e Ciências Contábeis;
  • Facilidade em administrar rotinas da área financeira;
  • Conhecimento em ferramentas como o Excel;
  • Comunicação interpessoal e proatividade;
  • Organização;
  • Comprometimento com prazos.

As graduações indicadas acima, para quem deseja atuar como analista financeiro, têm média de duração de quatro anos. 

Além disso, os profissionais formados precisam de registro em conselhos regionais. Estes devem ser realizados no Conselho Regional de Economia (Corecon), Conselho Regional de Administração (CRA) e Conselho Regional de Contabilidade (CRC). 

Para ser analista financeiro, é necessário ter afinidade com matemática financeira, deveres tributários, assim como com a elaboração de relatórios descritivos e críticos. Ademais, para se estabelecer na área, além da graduação, o profissional deve buscar por alguns certificados específicos, como:

  • Certified Financial Planner (CFP): Certificação que prepara o profissional para exercer o planejamento financeiro pessoal;
  • Chartered Financial Analyst (CFA): Certificação mais prestigiada no mercado financeiro mundial.

Indo além, é recomendada também a realização de cursos de especialização em gestão de negócios ou finanças.

Confira também: Como se tornar o profissional do futuro?

Quem é o superior do analista financeiro?

As tarefas de um analista são, geralmente, acompanhadas e monitoradas por um coordenador ou supervisor. Contudo, a estrutura hierárquica pode variar, dependendo de fatores como o tamanho e segmento da empresa.

Os próprios analistas costumam ser classificados em diferentes níveis em uma estrutura organizacional. São eles: 

  • Júnior: profissional recém-formado, geralmente com pouca experiência profissional;
  • Pleno: colaborador que pode possuir pós-graduação ou MBA, com nível de experiência que costuma variar entre seis e nove anos;
  • Sênior: aquele que assume a função de gestor e lidera equipes e projetos.

Qual a diferença entre analista e assistente financeiro?

O assistente financeiro é o profissional que auxilia a montagem da base de dados e a criação de conteúdos para o seu setor de atuação. Por outro lado, o analista financeiro, como indicamos mais acima, tem a função de planejar, gerir e analisar os recursos financeiros da companhia.

5 dicas para ser analista financeiro

Separamos algumas dicas que podem ajudar você a trilhar uma jornada de sucesso na carreira de analista financeiro. Confira-as a seguir!

  1. Domine as suas ferramentas de trabalho;
  2. Fique atento às mudanças;
  3. Procure um mentor;
  4. Estude um segundo idioma;
  5. Peça (e ouça) feedbacks.

1. Domine as suas ferramentas de trabalho

Mais do que ter afinidade com números, o analista financeiro precisa dominar as ferramentas que usará no dia a dia, como o Microsoft Excel e outros programas de finanças que apoiam a análise de dados. Também é necessário entender como realizar a leitura e interpretação de dados financeiros, a partir de uma base consistente de contabilidade.

Só assim este analista conseguirá fazer de forma eficaz o seu trabalho de reunir informações, criar relatórios financeiros e chegar a conclusões a partir disso.

Ou seja, fazer com que os números “contem uma história”. Isso significa criar análises objetivas e concisas que resultem em insights capazes de orientar a tomada de decisão pelos líderes da empresa.

2. Fique atento às mudanças

Estar sempre de olho em possíveis mudanças ligadas a fatores macroeconômicos, regulamentações de cunho governamental e ao próprio comportamento dos concorrentes é essencial para um bom analista financeiro.

Muitas vezes, não é suficiente apenas reagir a essas mudanças depois que elas acontecem. Deve-se procurar antecipá-las e se preparar para os seus possíveis impactos, testando potenciais cenários.

3. Procure um mentor

Um mentor de carreira é um profissional com larga experiência em um determinado campo, capaz de aconselhar e indicar caminhos no decorrer da trajetória de outros profissionais, sobretudo daqueles que iniciam uma carreira.

Você pode recorrer a este tipo de mentoria quando precisar de apoio para analisar um momento profissional ou até um novo movimento de carreira, de modo a conversar sobre possíveis estratégias ou melhores práticas para se fazer algo.

4. Estude um segundo idioma

Conhecer um segundo idioma dá a profissionais de qualquer área a possibilidade de abrir novas oportunidades e mesmo de ter experiências internacionais, o que beneficia não só o seu currículo, mas também a sua vida de forma geral.

Entender uma segunda língua pode conectar você a milhões de outras pessoas ao redor do mundo, aprendendo mais sobre outras culturas e tendo, inclusive, a oportunidade de trabalhar em outros países.

5. Peça (e ouça) feedbacks

O feedback é uma excelente ferramenta de aprimoramento e aprendizado. A partir da escuta aberta sobre a própria performance, o profissional tem a oportunidade de refletir sobre o seu desempenho e possibilidades de melhoria. Assim, é possível corrigir eventuais gaps e traçar novas metas para a própria carreira.

Leia também: 15 Atitudes profissionais para garantir uma carreira de sucesso!

Tornando-se um analista financeiro de sucesso

Flávio Lemos, analista certificado com o Chartered Market Technician, lançou uma nova edição do seu best-seller Análise técnica dos mercados financeiros. A obra visa ajudar aqueles que desejam se transformar em um investidor de sucesso ou se juntar ao leque de profissionais que atuam nas maiores corretoras, 

Nela, o autor explica que “um grande analista precisa não apenas de conhecimento da matéria, mas também precisa ter bom senso, controle de risco e uma formação ampla e atualizada”. Ele ainda alerta que o caminho para o sucesso não é fácil: 

“Este trabalho não é, de forma alguma, simples, pois o sucesso inicial pode levar ao excesso de confiança e gerar arrogância. Charles Dow, um dos pais da análise técnica, disse certa vez que “o orgulho em uma opinião causou a queda de mais homens na bolsa de valores do que todas as opiniões juntas”; afinal, a análise técnica trata de probabilidades, e não de certezas absolutas”. (nossos destaques)

Análise técnica

Flávio Lemos explica no livro que através da análise técnica dos mercados financeiros podem ser identificadas algumas críticas à análise técnica. A mais comum delas consiste na afirmação de que, se todo mundo conhecer os padrões gráficos, a análise técnica se tornará uma profecia autorrealizável: 

“Na realidade, mesmo que isso fosse verdade, devemos ter em mente que estamos lidando com uma matéria ainda bastante subjetiva, muito mais próxima de uma arte do que de uma ciência. Os padrões gráficos raramente são tão claros a ponto de vários investidores concordarem ao mesmo tempo com sua interpretação”.  

Além disso, as decisões de investimento são tomadas levando-se em conta vários aspectos, como horizonte de investimento e grau de aversão ao risco dos investidores. É preciso ter a clara noção de que os preços são afetados pelo resultado direto da Lei da Oferta e da Procura”. (nossos destaques)

Construção e tipos de gráficos financeiros

De acordo com a obra, alguns gráficos são muito usados no processo de análise para tomada de decisão em investimentos. Eles variam quanto aos dados apresentados e à forma de apresentação. Os mais usados são:

  • Gráfico de linha;
  • Gráfico de barra;
  • Gráfico de ponto e figura;
  • Gráfico de velas ou candlesticks.

Sendo assim, o autor Flávio Lemos pontua que: 

“Como a análise técnica é completamente aberta à criatividade dos analistas, vários estudos foram criados além dos quatro tipos mais utilizados. Alguns são combinações, como o candlevolume (gráficos de velas combinado a volume) e o equivolume, além de outros bem diferentes como o gráfico de renko, o de kagi e o three line break”

“Comparamos a leitura dos gráficos à de uma partitura musical. Se você é um analfabeto musical, você não lê, não entende nem escuta as diversas notas, semínimas, colcheias e nem seu andamento em allegro com pausas. Um músico, porém, consegue ler, escutar e ainda cantarolar uma partitura. 

A leitura gráfica é um processo similar. O analista bem treinado consegue visualizar e antecipar os movimentos do mercado para prontamente dar resposta à oscilação. 

Por algumas vezes, o analista “escuta” o mercado gritar que vai cair ou subir. Tenha paciência e treine bastante, não se preocupe se demorar um pouco para ler as informações com precisão” ( nossos destaques)

E, então, ficou interessado na carreira de analista financeiro? Continue no nosso blog e descubra também o que faz um desenvolvedor

Você também pode gostar

Artigos em destaque