Qual é a verdadeira importância da leitura?

Importância da leitura: homem lê

Com frequência, ouve-se dizer que a leitura é fundamental para a vida em sociedade. E, de fato, o hábito de ler livros é comprovadamente benéfico para pessoas de todas as idades e realidades sociais. No entanto, a leitura vai muito além daquilo que fazemos por prazer ou hobby — ela é um pedaço inseparável de nós.

Uma vez que aprendemos a ler, está selado o nosso destino: tudo se torna passível de leitura, mesmo aqueles símbolos que escondem palavras desconhecidas. É impossível desaprender a ler, da mesma forma que é impossível transitar pela sociedade sem colocar em prática esse aprendizado.

Mas como a leitura realmente interfere nos nossos modos de vida? Se ela é mais que uma alternativa a outros interesses e hobbies; se ela se traduz como uma parte essencial para a manutenção social, então qual é realmente a sua importância? Para entender mais, basta continuar lendo.

Qual a importância da leitura para a sociedade?

Embora seja frequentemente entendida como uma atividade solitária, a leitura é, sempre, um diálogo. Ao lermos um texto, estabelecemos uma comunicação direta entre aquilo que já sabemos e que constrói a nossa subjetividade, e aquilo que o texto apresenta, que pode ou não ser novo para nós.

Nesse momento de contato entre um e outro lado, passamos a atribuir significado àquilo que é lido. E, para isso, lançamos mão de recursos argumentativos que nos ajudam a sustentar um determinado ponto de vista.

A leitura não é, portanto, um processo de decifrar os significados de um texto. Ela é, na verdade, um processo de reformulação contínua desses significados, conforme construímos, em paralelo, a nossa identidade. Assim, é a partir dos textos lidos que podemos construir a competência de operar criativamente, interpretando novos pontos de vista e unindo esse conhecimento ao nosso.

Esse processo de leitura e interpretação de símbolos é a maneira a partir da qual construímos a nossa subjetividade social e política. Para Paulo Freire, ler é representar a afirmação do sujeito, da sua história como produtor de linguagem e da sua singularização como intérprete do mundo que o cerca.

Isso significa que a leitura abre portas para que um indivíduo compreenda como funciona a dinâmica social, quais são os códigos linguísticos que impactam ou formulam essa dinâmica e como a realidade pode ser alterada, se necessário. A leitura se torna, sob esse ponto de vista, uma maneira de formar cidadãos conscientes e críticos, aptos a interferir diretamente na sua realidade.

Como a leitura contribuiu para o desenvolvimento de competências socioemocionais?

Na sociedade atual, as competências socioemocionais se tornaram fundamentais para o trabalho e para a vida no geral. E, se a leitura é o processo de interpretação do mundo para a construção da subjetividade de um indivíduo, então ela também tem efeitos nessa nova exigência social.

Isso porque, ao nos colocar em contato com perspectivas diferentes das nossas, a leitura atua como uma incentivadora do desenvolvimento de raciocínio lógico. Uma vez que é seu papel estabelecer o diálogo entre o que já sabemos e o que o texto nos diz, torna-se automática a argumentação de um ponto de vista.

Além disso, a leitura abre as portas da criatividade ao imprimir no indivíduo novos cenários e possibilidades, tanto no campo da fantasia quanto no campo de uma sociedade melhor, mais justa e mais igualitária. Se, como afirma Paulo Freire, o sujeito que lê se torna capaz de transformar a realidade social na qual está inserido, então a leitura é também um catalisador de mudanças sociais que, no entanto, têm berço na criatividade e na imaginação.

Por fim, é a leitura a principal responsável por desenvolver em um indivíduo o sentimento de empatia, o que fortalece a resiliência, a inteligência emocional e a capacidade de trabalhar em equipe. Os livros apresentam cenários diversos àqueles que os leem, o que amplia nossa visão de mundo e nos torna aptos a lidar com as diferenças mais facilmente.

Você também pode se interessar: Como curar a ressaca literária?

Quais são os benefícios da leitura?

Mencionamos, ao longo deste texto, que a leitura é a maneira pela qual podemos construir a nossa individualidade, atuar de maneira crítica na sociedade em que estamos inseridos e desenvolver habilidades e competências fundamentais para o estudo e o trabalho.

Ainda assim, os benefícios promovidos pela leitura não param por aí. De fato, o ato de ler pode ser transformador da nossa realidade e atuar diretamente na construção de um mundo melhor. E isso se torna ainda mais visível quando falamos sobre períodos ou situações em que o contato social se torna menos frequente.

Nos últimos anos, atravessamos alguns desses cenários. Um deles, mais permanente, é a criação de uma cibercultura — uma geração inteira de indivíduos cuja relação com o mundo é mediada pela internet, pelos smartphones e, mais importante, pela leitura digital. Outros são cenários de isolamento, como o que aconteceu na pandemia da Covid-19.

Abaixo, explicaremos melhor quais são os benefícios da leitura nesses cenários. Confira!

Leia também: Qual é sua comida favorita? Sugestões de leitura para todos os apetites!

Impactos da leitura em situações de isolamento

Imagine um leitor. Imaginou? Ele está sozinho em um quarto, em uma poltrona grande e confortável, lendo enquanto a chuva cai lá fora? Em algum lugar dessa paisagem você também incluiu um gato, ou uma xícara de café? E, mais importante: ele está sozinho?

A imagem que fazemos dos leitores é, com frequência, associada ao isolamento e ao silêncio. Ainda que ela não seja completamente verdadeira, a leitura é, de fato, uma saída para a solidão — tanto a acidental quanto a imposta. E isso se prova especialmente verdadeiro nos casos em que o contato com o “mundo lá fora” é interrompido por fatores fora do nosso controle.

Foi o caso, por exemplo, da pandemia da Covid-19, que impeliu os diversos leitores a se manterem em casa, como o resto da sociedade. Bibliotecas, clubes de leitura, livrarias: tudo estava fechado, e talvez por isso tenhamos observado um boom de bookgrams e leituras coletivas.

Mas também é o caso de indivíduos encarcerados. As prisões são um ambiente pouco propício para o exercício da imaginação e da liberdade de pensamento, mas, ainda assim, a leitura se impõe sobre esses espaços como uma alternativa ao sofrimento.

Leitura e pandemia

No contexto da pandemia da Covid-19, que teve início em 2020, o isolamento social estava associado a uma série de sentimentos negativos: medo, insegurança, ansiedade, apreensão etc. Em cenários como esse, a leitura se torna uma maneira de reestabelecer o senso de segurança e conforto.

O ato de ler pode assumir um papel terapêutico, na medida em que proporciona alívio e tranquilização de emoções. Nesse sentido, a leitura passa a oferecer benefícios ao restabelecimento da saúde porque cria no leitor motivação e troca de experiências, além de possibilitar a sensação de sentimentos positivos, como o riso, a curiosidade, o encantamento etc.

Para que funcione, porém, é necessário que o processo de leitura seja intencional. Isso porque o ato de ler precisa suprir uma necessidade — seja ela de companhia, de conforto ou de segurança. Essa intenção de leitura é o que faz com que o ganho de novas informações, mesmo em um contexto majoritariamente negativo, se torne benéfico para o leitor.

Leitura e encarceramento

A Constituição brasileira assegura aos encarcerados que mantenham o seu direito à educação gratuita e de qualidade. No entanto, o processo de aprisionamento é responsável pela diluição da noção de identidade dos indivíduos, o que impacta diretamente na sua adaptação ao novo espaço.

Para pesquisadores da área, a diminuição da noção de “quem sou eu” é comum ao ambiente carcerário graças às condições às quais são submetidos os indivíduos. No entanto, esse processo abre margem para o surgimento de uma nova personalidade, que se adapta às necessidades do contexto da prisão.

Nesse cenário, a leitura aparece como uma maneira de manter contato com o mundo exterior. Seja através de jornais e revistas, seja através das cartas recebidas pelos prisioneiros, a leitura se torna uma espécie de janela pela qual é possível alcançar a sensação de liberdade. 

Isso significa que é por meio dela que os indivíduos em situação de encarceramento podem recuperar a sua identidade, o que contribui para uma melhor readaptação social no futuro e para manter o elo com as pessoas que foram antes do período da prisão.

Esperamos que este conteúdo tenha te ajudado a entender a importância da leitura! Que tal conferir também nossa seleção de livros de ficção?

Você também pode gostar

Artigos em destaque